O índice ABCR de atividade referente a abril de 2021 apresentou estabilidade no comparativo com março, considerando os dados dessazonalizados. O fluxo pedagiado de veículos leves avançou 0,2%, enquanto pesados recuou 3,9%. O índice que mede o fluxo pedagiado de veículos nas estradas é construído pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias – ABCR juntamente com a Tendências Consultoria Integrada.
Comparado ao mesmo período de 2020, o índice total avançou 48,4%. O fluxo pedagiado de veículos leves aumentou 57,7%, e o fluxo de pesados 30,9%.
Nos últimos doze meses, o índice acumula queda de 7,7%, fruto do avanço de 3,8% dos veículos pesados e da redução de 11,6% dos veículos leves.
“Os dados de fluxo de veículos seguem sensíveis às restrições de circulação motivadas pelas medidas de isolamento social. Todas as regiões cujas aberturas são divulgadas apresentaram queda na movimentação de leves e pesados em abril”, afirma Andressa Guerrero, analista da Tendências Consultoria. “Na comparação anual, é preciso considerar os maiores danos ocasionados pelo cenário pandêmico no mesmo período do último ano. Em abril de 2020, o fluxo de veículos atinge seu menor valor da série (iniciada em jan/99), fruto do amplo lockdown imposto em quase todas as regiões do País.”, conclui.

No Paraná, índice ABCR sobe 3,8% em abril
No Paraná, o fluxo total de veículos pedagiados avançou 3,8% frente a março, em termos dessazonalizados, ditado pelo avanço de 24,8% do índice de leves e de queda de 5,4% do índice de pesados no período.
Ao se comparar com o mesmo período de 2020, o índice total aumentou 35,9%. O fluxo pedagiado de veículos leves subiu 52,4% e 20,1% de veículos pesados.
Nos últimos doze meses o índice total acumula queda de 3,4%, fruto da alta de 5,5% dos veículos pesados e de queda de 8,9 % dos veículos leves.

Taxas de variação do fluxo pedagiado no Paraná

No Rio de Janeiro, índice ABCR cai 2,6% em abril
No Rio de Janeiro, o fluxo total caiu 2,6% comparado a março, em termos dessazonalizados. O resultado decorreu da queda de 11,5% no fluxo de veículos pesados e de 1,9% dos leves.
Na comparação com abril de 2020, o índice total aumentou 62,2%. O fluxo de leves subiu 68,8% e o fluxo de pesados 37,8%, mantida a métrica de comparação.
Nos últimos doze meses o índice total acumula queda de 6,2%, composta pela retração de 2,6% dos veículos pesados e de 6,9% dos veículos leves.

Taxas de variação do fluxo pedagiado no Rio de Janeiro

Em São Paulo, índice ABCR cai 0,9% em abril
Em São Paulo, o fluxo pedagiado total de veículos teve recuo de 0,9% frente a março, em termos dessazonalizados. A desagregação entre leves e pesados apresentou variação de -0,7% e 4,1%, respectivamente.
Em relação ao mesmo período de 2020, o índice total cresceu 49,4%. O fluxo pedagiado de veículos leves avançou 58,5%, enquanto o fluxo de pesados subiu 31%.
Nos últimos doze meses o índice total acumula queda de 9,6%, fruto do decréscimo de 13,4% dos veículos leves e de um aumento de 3,2% dos veículos pesados.

Taxas de variação do fluxo pedagiado em São Paulo

Categories:

No responses yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin