O índice ABCR referente a março de 2022 apresentou alta de 2,1% no comparativo com fevereiro, considerando os dados dessazonalizados. O índice que mede o fluxo pedagiado de veículos nas estradas é construído pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias-ABCR juntamente com a Tendências Consultoria Integrada.

Mantida a comparação mensal dessazonalizada, o índice de fluxo pedagiado de veículos leves apresentou alta de 2,7%, enquanto o índice de pesados cresceu 0,5%.

Comparado ao mesmo período de 2021, o índice total aumentou 22,2%, impulsionado, em grande medida, pela alta de 31,4% de leves e, em menor medida, pelo crescimento de 2,2% de pesados. 

Nos últimos doze meses, o índice total acumula avanço de 11,9%, fruto do aumento de 14,1% dos veículos leves e 6,1% de pesados.

“Do ponto de vista econômico, a trajetória recente de expansão de leves tem sido favorecida pela maior segurança das famílias com o quadro sanitário”, comenta o analista de Macroeconomia e Política da Tendências Consultoria, Thiago Xavier. “Por outro lado, do ponto de vista macroeconômico, as pressões inflacionárias que elevam o comprometimento da renda das famílias, o baixo crescimento salarial e o encarecimento do crédito atuam como importante limitadores às decisões de gastos das famílias, como de viagens à passeio. Além disso, os recentes reajustes de preço dos combustíveis também são outro entrave à evolução do segmento”.

Já o fluxo de veículos pesados apresentou recuperação nos últimos dois meses, sinalizando, porém, menor dinamismo ao longo das últimas pesquisas. “Tal desempenho está associado à conjuntura adversa do setor industrial, tanto do ponto de vista da produção – com aumento de custos dos insumos e logísticos -, como da demanda, considerando que parte das famílias de maior classe de renda têm direcionado maior parte dos seus recursos para serviços (como bares e restaurantes, antes operando parcialmente), enquanto as famílias de menor rendimento foram desproporcionalmente afetadas pelas pressões inflacionárias”, finaliza. 

No Rio de Janeiro, índice ABCR  sobe 4,1% em março

No Rio de Janeiro, o fluxo total apresentou alta de 4,1% comparado a fevereiro, em termos dessazonalizados. O resultado decorreu de 3,2% do fluxo de veículos leves, enquanto pesados se manteve estável.

Na comparação com março de 2021, o índice total registrou alta de 15,6%. O fluxo de leves aumentou 18,0% e o fluxo de pesados 4,9%, mantida a métrica de comparação interanual.

Nos últimos doze meses, o índice total acumula crescimento de 13,0%, fruto da alta de  14,1% dos veículos leves e de 8,1% dos veículos pesados.

No acumulado do ano, o índice total apresenta variação de 5,6%. O fluxo pedagiado de veículos leves acumula de alta de 5,9% e o fluxo de pesados de 4,3%.

Quadro: Taxas de variação do fluxo pedagiado no Rio de Janeiro

Em São Paulo, índice ABCR avança 1,5% em março

Em São Paulo, o fluxo pedagiado total de veículos teve alta de 1,5% frente a fevereiro, em termos dessazonalizados. Ambos os segmentos, leves e pesados, apresentaram variação de 1,7%.

Em relação ao mesmo período de 2021, o índice total aumentou 24,9%. O fluxo pedagiado de veículos leves cresceu 34,5%, enquanto o fluxo de pesados apenas 1,8%.

Nos últimos doze meses, o índice total acumula alta de 12,5%, fruto do aumento de 14,9% de leves e 5,3% de pesados

No acumulado do ano, o índice total apresenta alta de 8,5%. O fluxo pedagiado de veículos leves acumula expansão de 11,0% e o fluxo de pesados ligeira alta de 0,6%.

Quadro: Taxas de variação do fluxo pedagiado em São Paulo

Categories:

No responses yet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin